Flacidez vaginal

Entenda o que é a flacidez vaginal e por que ela atrapalha significativamente a qualidade das suas relações sexuais.

Diga-me o que acontece quando você não exercita um músculo? Naturalmente, se você nunca exercita um músculo, a tendência é que esse músculo fique flácido.

Com a sua região íntima acontece a mesma coisa, como ela é composta por estruturas musculares, se você nunca exercitou esses músculos, a tendência é que essa musculatura fique enfraquecida e flácida. A sua região íntima é composta por uma estrutura muscular chamada assoalho pélvico.

Essa estrutura tender a começar a sofrer alterações a partir dos 20 anos de idade. Ou seja, em média, a partir dos 20 anos de idade, a mulher que nunca exercitou a musculatura vaginal tende a sofrer com a flacidez vaginal. Agora imagine essa situação depois de 30, 40, 50 anos…

Essa musculatura, além de não ser exercitada como deveria (na maioria das vezes), ainda está constantemente sobre pressão, pois ela é a responsável por segurar todos os seus órgãos internos, como o útero e a bexiga por exemplo.

Além do “desgaste” causado pelas próprias relações sexuais, com a penetração do pênis no interior dessa mesma musculatura. Outro fator que acentua a flacidez vaginal do assoalho pélvico feminino é o período de gravidez, inclusive para mulheres que fizeram cesariana, como foi o meu caso.

Eu já pratico a ginástica íntima (mais conhecida como pompoarismo) para fortalecer a minha musculatura íntima há mais de 11 anos. Durante o período da minha gravidez, que foi considerada uma gravidez de risco, eu tive interromper a pratica dos exercícios.

Foram menos de 9 meses sem praticar os exercícios e durante esse tempo eu senti uma diferença enorme na minha musculatura.

Eu não me sentia mais a mesma, parecia que tinha algo “errado comigo”, no início dessa semana eu voltei a praticar meus exercícios e parece que eu resgatei a minha autoestima, o meu poder… Agora eu já me sinto uma mulher completa de novo.

Ou seja, a mulher além de não exercitar a musculatura pélvica ainda está constantemente sobrecarregando essa musculatura. Resultado: com o passar dos anos, esse músculo vai ficando cada vez mais fraco e flácido. A mulher que antes era apertadinha, que tinha tudo no lugar, começa a perceber que aos poucos vai ficando com a vagina mais flácida, mais alargada, mais frouxa. Um dos sintomas mais evidentes dessa frouxidão, são os flatos vaginais, aquele barulho constrangedor provocado pela entrada de ar na vagina durante o sexo.

Por que a flacidez vaginal atrapalha significativamente a qualidade das suas relações sexuais?

Primeiro, porque quando a vagina está mais flácida, a sensação da penetração do pênis é menos intensa, tanto para o homem, que consegue perceber essa frouxidão, quanto para a mulher.

Com o canal vaginal mais largo, a penetração é menos prazerosa. Além disso, você também vai perceber uma grande diferença em relação à sua sensibilidade.

Se de um tempo para cá você percebeu que a sua sensibilidade já não é mais a mesma, esse é um indício de que a sua musculatura íntima precisa ser trabalhada e que a flacidez vaginal bate à porta.

Outros sintomas comuns são o ressecamento vaginal, dores na relação e dificuldade de chegar ao orgasmo, afinal quem é que vai atingir o orgasmo se não consegue sentir o pênis do parceiro.

Não é à toa que 78,8% das mulheres Brasileiras relatam alguma insatisfação na vida sexual. No Brasil, 8,2% das mulheres se queixam de absoluta falta de desejo sexual; 26,2% não atingem o orgasmo; 26,6% têm dificuldade de excitação e 17,8%, dispareunia (dor durante a relação).

Esses dados foram descobertos em uma pesquisa realizada pelo Pro Sexo – Programa de Atendimento Sexual do Hospital das Clínicas de São Paulo. Os números são realmente impressionantes!! Você já parou para pensar? 8 entre 10 mulheres no Brasil estão passando por esse problema e vivendo uma vida sexual frustrante e sem prazer.

A verdade é que esse é um assunto delicado e que gera vários e sérios problemas na vida da mulher, como: vergonha, falta de confiança, baixa autoestima, sentimento de impotência, falta de libido, falta de desejo sexual, e tudo isso reflete na saúde do relacionamento da mulher.

Como eu disse, ao contrário do que a maioria das pessoas imagina, isso não acontece apenas com as mulheres mais velhas. A musculatura vai começar a ceder a partir dos 20 anos.

Mas com certeza os sintomas ficam mais evidentes e preocupante depois dos 40 anos, que é quando a mulher começa sofrer mais frequentemente da temida incontinência urinária, ou seja, quando a mulher começa a perder urina quando tosse, espirra ou faz algum esforço físico. Isso acontece quando a musculatura do períneo está tão flácida que ela não consegue controlar a bexiga.

Esse problema é mais comum do que você imagina. Na última pesquisa a qual eu tive acesso aqui em Brasília, 5 a cada 10 mulheres sofrem de incontinência urinária após os 40 anos, ou seja, metade das mulheres vão sofrer desse problema muito incomodo, diga-se de passagem.

Eu acredito que você já percebeu como é importante dar atenção a este assunto e fortalecer a sua musculatura a fim de manter a região íntima saudável e sensível.

Eu sinto na pele com muita intensidade todos os benefícios da ginástica íntima e é por isso que eu levo o meu trabalho tão a sério. Eu acredito que toda mulher merece viver uma vida sexual e amorosa feliz.

Compre o Pelve-Forte seu pequeno treinador íntimo! 

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados